Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog da Historia
 


Luiz Gonzaga Leite

O GUARDA LUIZINHO

“O fantástico da vida é estar junto de alguém que faz deste instante um grande momento”

Orientação e educação no lugar de punição

O Rei do Trânsito, Luiz Gonzaga Guarda Luizinho Leite, o Guarda Luizinho da Praça Ramos de Azevedo, brasileiro, natural de Transmarte, Paraíba, nascido em 06 de dezembro de 1939, casado há 41 anos.
Estudou na Escola Estadual Barão Homem de Mello de 1952 até a 4.ª série. Fez um curso de datilografia no Grêmio Estudantil Saturno em 1961, onde posteriormente fora eleito presidente do Grêmio, dando continuidade ao seus estudos, entrou no Colégio Liceu Siqueira Campos cursando o ensino fundamental e médio com término em 1980, passando posteriormente a prestar vestibulare na faculdade Karnic Basarian FKB em 1981, onde hoje tem curso superior incompleto.

O Guarda Luizinho tem em sua vida profissional um currículo diversificado, haja vista que foi tintureiro do ano de 1952 à 1958, ano em que saiu para servir o exercito no CPOR - Centro de Preparação de Oficiais da Reserva, situado à Rua Alfredo Pujol n.º 681 - Santana, onde após a baixa, regressou à tinturaria. Ingressou na Guarda Civil em Janeiro de 1.965 e com o Decreto Lei n.º 217 de 8 de abril de 1970, com a unificação da Guarda Civil e a Força Pública, passando a partir desta data a ser Policial Militar.
A solidariedade do Guarda Luizinho para com o povo é uma questão de princípio, pois mesmo atuando no ramo do comércio, continua sendo popular, haja vista que o povo não esquece o Guarda, que em plena ditadura, fazia de seu uniforme uma arma para educação, sendo que, com suas brincadeiras no trânsito, frente ao antigo Mappin, Praça Ramos, diiante de milhões de pedestres que ali transitavam diariamente, orientava o povo para que atravessasse à faixa corretamente, não permitindo que condutores de veículos ficasse em cima da mesma, e quando isto acontecia, abria as portas dos veículos e solicitava ao povo que atravessasse por dentro do veículo e etc., onde, atos como este, faziam com que os motoristas, respeitassem os pedestres, e quando um pedestre atravessava com farol vermelho, era por ele barrado e após uma aula de educação de trânsito, o presenteava com uma caveirinha.
Por essas e outras, Luizinho, ficou conhecido no Brasil e no exterior, dando entrevistas e partcipando de reportagens diversas, preocupando-se sempre com a educação do povo presente no trânsito, em razão do perigo que representa. Para ele, a educação no trânsito é fundamental para preservação da vida.
Luizinho foi ainda, voluntário, assumindo o cargo de Comissário de Menores na Vara da Infância e Juventude, onde ali permaneceu do ano de 1986 à 2000.
Foi Delegado do Consselho Municipal de Trânsito do ano de 2002 à 2003, eleito pela população da região da Vila Mariana. Também foi Conselheiro Municipal de Trânsito e Transporte eleito no ano de 2004 com mandato até o ano de 2005 com 80% dos votos, e atualmente ministra palestras sobre o trânsito.
O Guarda Luizinho, durante sua vida pública, recebeu diversas homenagens, entre outras, o Cartão de prata da Associação Comercial de São Paulo - Sucursal - Santana em 04 de maio do ano de 1977.Foi eleito Policial do Ano pela imprensa, nos anos de 1975, 1976 e 1977, com reportagem de Hélio dos Santos. Recebeu homenagem da Academia Brasileira de Poesia como "Um Anjo da Guarda" em 01 de abriu do ano de 1978.
Recebeu o título de Personalidade do Ano pelo Rotary Club nos anos de 1978 e 1979 na área de atividades Humanas.Recebeu homenagem dos Escoteiros da Água Branca no ano de 1978.Recebeu o Apito de Ouro em 1976 com reportagem de Hélio dos Santos na escadaria do Teatro Municipal de São Paulo.Presta serviço atualmente como voluntário na UNADES - União Nacional de Apoio ao Desenvolvimento Social.


Escrito por mariolopomo às 17h45
[] [envie esta mensagem
] []





O grande prestador de serviço. Um autentico ser prestante, que deixou muito cotovelo dolorido, e foi afastado do seu lugar preferido de trabalho, mas varios abaixo assinados, fez com que os cotovelos voltassem a seu lugar normal e depois de cicatrizados, fez com que o guarda de transito, voltasse, para a frente do Mappin, para a alegria da galera.

 
















Matando saudade do Guarda Luizinho, estará tambem matando saudade da loja Mappin

Entrevista a Jô Soares, em Jô Onze e meia, SBT.



Escrito por mariolopomo às 17h43
[] [envie esta mensagem
] []





No site http://www.saopaulominhaciodade.com.br/, teve duas citações sobre o guarda Luizinho, que esta reproduzido aqui.

 

:: Um anjo da guarda ::
Autor: Ivan Castelo Branco

 

Acredito que a maioria dos freqüentadores deste site deve se lembrar do Guarda Luizinho.
Nascido Luiz Gonzaga Leite, em Transmarte, Paraíba, ele se tornou uma das personalidades mais queridas de São Paulo nas décadas de 70 e 80 por usar métodos inusitados para conscientizar as pessoas dos perigos do trânsito nas ruas da capital. Luizinho marcou época naquela que era uma das esquinas mais movimentadas do centro de São Paulo. Próximo ao Viaduto do Chá, fica o cruzamento da Avenida Coronel Xavier de Toledo e da Barão de Itapetininga, na frente do Mappin (hoje em dia, Extra) e do prédio da Light, que hoje abriga o Shopping Light. É o próprio Luizinho quem diz: "Eu não gostava de dar multa, acreditava mais na educação do que na punição para conscientizar o povo da importância de obedecer aos sinais e às leis de trânsito. E aquela esquina era uma dos locais mais perigosos da cidade, pois 1 milhão de pessoas passavam por ali diariamente. Acabavam acontecendo muitos atropelamentos". Suas brincadeiras consistiam em orientar o povo para que atravessassem a faixa corretamente, não permitindo que condutores de veículos parassem em cima da mesma, quando isso acontecia, ele abria as portas dos veículos e solicitava que os transeuntes passassem por dentro do carro. Quando um pedestre desavisado ou descuidado tentava atravessar com o sinal vermelho era barrado por Luizinho que, após uma aula de educação no trânsito, o presenteava com uma caveirinha ou uma miniatura de caixão. Uma vez um amigo meu foi protagonista dessa cena hilária, para deleite dos demais transeuntes. Mas toda essa popularidade não agradava os seus superiores. Como era época do regime militar a integração entre a população e os policiais não era bem vista pela corporação. "Todos os dias eu recebia uma advertência", lembra Luizinho. "Várias vezes eles me transferiam de posto, mas o pessoal fazia abaixo-assinados com 40, 60 mil assinaturas e eu acabava voltando para a esquina do Mappin". O tempo mostrou que a conscientização foi o melhor caminho para o sucesso do seu trabalho. "Em todos os anos em que trabalhei lá houve apenas um atropelamento e a vítima fui eu. Machucado, tive que cuidar para que as pessoas não linchassem o motoqueiro que me atropelou". Durante sua vida pública o Guarda Luizinho recebeu inúmeras homenagens. Entre elas, foi eleito Policial do Ano pela imprensa em 1975, 1976 e 1977, além do título de Personalidade do Ano pelo Rotary Clube nos anos de 1978 e 1979 na área de atividades humanas. Ainda em 1976 recebeu o Apito de Ouro na escadaria do Teatro Municipal de São Paulo. Hoje, Luizinho é comerciante, tem um bar e um restaurante em São Paulo, onde seus antigos fãs param para cumprimentá-lo. Luizinho insiste na idéia da conscientização e pensa em lançar uma cartilha para crianças sobre a importância de se obedecer as leis e sinais de trânsito. Ele quer ensinar, simplesmente como nos velhos tempos.


COMENTARIO
Que saudades, que ótima lembrança, não foi só uma vez que ele me fez voltar para a calçada, apitando para mim. Onde fica o comércio dele? alguem sabe? adoraria reve-lo. Abraços. Enviado em 16/5/2007 por Mara - ninablitz@hotmail.com
Precisamos cloná-lo e distribuí-lo por aí.... Boa lembrança e homenagem. Um abraço - Enviado em 12/12/2006 por Doris Day - dorisdaybrasil@gmail.com
Em tempo Ivan o Luizinho fez tantos japoneses abrirem os olhos que foi convidado pelo governo japones para conhecer o Japão onde foi homenageado. Ivan parabens pela sua história muito saudosa a lembrança. Enviado em 7/12/2006 por pauloribeiro - pauloribeiro51@yahoo.com.br
Parabéns pelo seu texto. O guarda Luizinho marcou época na cidade de São Paulo, não somente pelo seu exemplo de grande profissional, mas também como um exemplo de cidadania e de um ser humano que se usava sua profissão para ajudar ao próximo de uma maneira divertida . Podemos usar o seu exemplo e também ser "um Guarda Luizinho" nas nossas profissões. Enviado em 7/12/2006 por Consolata - tpanhozzi@ig.com.br
Grande guarda Luizinho!Foram justas suas condecorações, e merecia muito mais! - Enviado em 7/12/2006 por Luiz S.Saidenberg - saidenberg@ajato.com.br

O guarda Luizinho
Autor: Mário Lopomo

O guarda Luizinho é, aquele excêntrico guardião dos pedestres que atravessavam a rua Xavier de Toledo em frente ao Mappin nos anos 1970.
Aos poucos ele foi chamando a atenção de todos que por lá passavam pela sua simpatia, maneira alegre e amigo de todos os passantes daquele pedaço da cidade.
Apesar de todas suas brincadeiras com o povo, pegando muitos pelo braço, fazendo-os retornar para depois atravessar direito, ou então fazer uma pessoa atravessar por dentro de um, Fusca como a dizer: já que está com pressa passa pelo meio do carro.
Mesmo assim ele impunha respeito e fazia todos ver a importância em não atravessar com pressa. Pois a pressa pode apressar a morte por atropelamento.
Sua maneira de trabalhar, proposital ou não ele chamou a atenção da imprensa e logo foi manchete dos tele jornais. Deu muitas entrevistas.
Seus superiores também começaram a perceber que um simples soldado estava se destacando mais do que oficiais da corporação. Já estava até dando autógrafos. O ego de muita gente foi abalroado. Quando todos imaginavam que o guarda Luizinho seria outorgado com um troféu ou medalha de hora ao mérito, eis que ele é retirado do seu local de trabalho, onde estava por alguns anos. O cruzamento do Mappin ficou ao Deus dará. Sua falta começou a ser sentida. Os comentários eram os mais variados. O povo falou alto. A baixos assinados, eu mesmo vi muita gente com pranchetas pedindo assinatura para a volta do seu anjo da guarda. Os pedidos também foram feitos através da imprensa, e seus superiores se sentiram atingidos. Não demorou muito o guarda Luizinho voltou a seu local de trabalho preferido. Mas não era mais o mesmo homem alegre e brincalhão de antes.
A magoa machuca muito as pessoas, mas fez de tudo para que os pedestres não percebessem a decepção de um dia ser retirado do seu local de trabalho, coisa que ele fazia com satisfação.
Chegou a ser candidato a deputado ou vereador, não conseguindo êxito. Hoje fica a lembrança e a saudade dele.Por onde será que anda o guarda Luizinho?e-mail do autor: mariolopomo@uol.com.br
COMENTARIOS


Ainda tenho bastante contato com o Guarda Luizinho. Uma figura incrível que continua cuidando de nossas crianças de São Paulo. [ Enviado em 5/12/2008 por Dalton - dalton@znimovel.com.br ]
Esta como conselheiro tutelar na sub prefeitura santana tucuruvi. [ Enviado em 9/10/2008 por camila -
prietocamila@yahoo.com.br ]
Que saudades daquele tempo.O showman luizinho, oMappin, andar pela cidade despreocupado,o dinheiro era dinheiro, tudo tinha valor.Pessoas bem vestidas, teatro municipal, a CMTC reinava no transporte.E o Rei do apito , Luizinho mandava no cruzamento. Sampa Legal. [ Enviado em 10/4/2008 por oslo camargo -
oslocamargo@bol.com.br ]
Um site dedicado ao Guarda Luizinho http://www.guardaluizinho.com.br [ Enviado em 2/4/2008 por Daniel Orellana -
danielssky@hotmail.com ]
gostei muito da sua materia parabéns pele seu tabalho.petrolina -pe [ Enviado em 30/1/2008 por bruno rangel da silva barbosa -
brunno.rangell@hotmail.com ]
Verdade verdadeira! O guarda Luizinho faz parte da memória de São Paulo e deveria ser agraciado com uma condecoração. Afinal, era tudo o que você descreve com muita propriedade, Mario. E, com polido bom humor,soube educar muita gente no tocante a como respeitar e ser respeitado no louco trânsito de Sampa. Exemplo que, a rigor, deveria ser seguido por alguns guardas, policiais e outras autoridades que, ao invés de educar, ficam à espreita, ocultos, ansiosos para "nos dar o bote" de modo sub-reptício e covarde. É a "indústria da multa" que tem por fim único deseducar a população em nome do produção em massa de multas,prova cabal de "trabalho"... Parabéns, Mario, pela lembrança e pelo texto muito bem elaborado! [ Enviado em 26/12/2007 por Miriam Panighel Carvalho -
panigirls@uol.com.br ]
Ola Mariolopomo, não pude deixar de registrar a minha informação a respeito do guarda Luizinho, ele atualemente vive na zona norte de São Paulo, mas especificamente no bairro do Lauzane paulista, na Avenida Basiléia,é possível ter informações e até mesmo falar com ele. [ Enviado em 18/12/2007 por Jonathan -
jonatapas@ig.com.br ]
Quando meninos eu e mais dois amigos, saimos da zona sul e ficavamos na esquina vendo a alegre balburdia que o guarda Luizinho aprontava com os pedestres. Nos divertiamos mais do que qualquer outra coisa. SAUDADES DOS BONS TEMPOS DE CRIANÇA [ Enviado em 12/12/2007 por Antonio Carlos Mendes Negrão -
finaparts@bol.com.br ]
Lembro perfeitamente do guarda Luisinho, eu trabalhava ali nos escritórios da Light, rua Chavier de Toledo, esquina com o Viaduto do Chá, muitas vezes ficavamos por ali sentados somente para apreciar a sua perícia em governar o sinal daquela esquina. Vivo em Portugal já a 20 anos mas nunca esquecerei destes bons momentos passados ali naquela esquina. [ Enviado em 2/7/2007 por Wagner Galian -
wagner@iol.pt ]
No ano de 1975, trabalhei em SP como office-boy, na Rua Marconi, numa empresa chamada S. Magalhães, e cruzava com o Guarda Luizinho todos os dias e achava o máximo, como ele comandava aquele cruzamento em frente ao saudoso Mappin. Luizinho era uma descontração naquela selva de pedra, já marcada pela violência. Saudades. muitas saudades. Cláudio Lopes - Sorocaba - SP [ Enviado em 4/5/2007 por CLAUDIO EUGENIO R. LOPES -
claudlopes1@hotmail.com ]
Eu presenciei o guarda Luizinho, na Xavier de Toledo. Exibia um chaveiro com uma "caveira" aos pedestres mais afoitos em atravessar a avenida e o epísódio de atravessar por dentro dos carros, este era para um outro lado, motoristas que paravam ao sinal, dentro da faixa de pedestres. Saudades ... [ Enviado em 12/4/2007 por José Carlos -
sorvete@hotmail.com ]
Caro Mário: já comentei como aprecio seus textos, e sua memória.Fiz-lhe, porém, a sugestão de arejá-los mais, para facilitar a assimilação das informações. Outra coisa : creio que sua mente flui rápida, e junto vão as palavras, então, é preciso fazer sempre uma checagem posterior, para evitar falhas, como a do PONTO FRIO, em vez de CHIC, e esta da Cons. Crispiniano. Faça isto, e seu texto será magnífico. Abs. [ Enviado em 28/3/2007 por Antonio Tomás Figueiredo -
tomasfig@gmail.com ]
Mário lembrtança mais do que merecida. Valeu! [ Enviado em 27/3/2007 por Miguel S. G. Chammas -
misagaxa@terra.com.br ]
Meu caro, Mário. Realmente válida sua lembrança, mas eu cheguei antes. Dê uma olhadinha no texto "Um anjo da guarda" que fala justmente do Luizinho esta grande figura que marcou época na cidade de São Paulo Um abraço [ Enviado em 27/3/2007 por Ivan Castelo Branco -
ivancbranco65@yahoo.com.br ]
É mesmo, por onde andará ? Não é todos os dias que se encontra um guarda como esse. [ Enviado em 27/3/2007 por Luiz S.Saidenberg -
saidenberg@ajato.com.br ]


Escrito por mariolopomo às 17h41
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ Ver arquivos anteriores ]